by way of self-portrait

Teresa Cortez

If I were asked to select one single underlying and de­fining word for my artistic itinerary of more than four decades I would definitely choose Emotiveness.

Emotiveness as a synonymous of the restlessness of mind that I experience when, in my imagination, the basic ideas of what will constitute the essential content of my work are already sprouting, even if I cannot yet envision the details of their contours, let alone form a structured and global view of them as a whole.

+

chegar ao Minho como quem regressa à infância

Paulo Sucena, Ensaísta e Crítico Literário

Translation not available yet. Sorry for the inconvenience.

Teresa Cortez movimenta suas mãos antigas sobre matéria do mundo, num acto de purificação das coisas e de transmutação dos seres. O seu talento lida com a vertiginosa limalha que gesto a gesto subtrai ao vórtice da infância e inscreve-a na brandura da argila e é a invasão das rosas, dos escaravelhos e das libelinhas. Assim começa o lento transmudar de remotas paisagens da memória. Então os dedos de Teresa Cortez invadem o barro, exploram seres mudos e agudos meandros e plácidos iluminam o coração de rosas que não são o esplendor de ninguém debaixo de tantas pétalas. Rilkianas rosas, focos de luz sobre a mão que desenha a geometria do coração que o Minho reinventa na memorial filigrana que as filhas herdam das douradas mãos das mães.

+

dedicatória a Teresa Cortez

Querubim Lapa, Ceramista

Translation not available yet. Sorry for the inconvenience.

Teresa Cortez, ao longo da sua carreira, consegue caldear uma iniciação experimental adquirida em ambiente fabril de largas tradições na arte cerâmica, uma formação académica centrada na aprendizagem destas técnicas específicas e a sua própria sensibilidade vocacionada para esta forma de expressão artística tão enraizada na nossa cultura, atingindo, por mérito próprio, um lugar de destaque entre os ceramistas portugueses.

+

a cerâmica com histórias para contar

Rui A. Pereira

Translation not available yet. Sorry for the inconvenience.

A obra desta autora é significativa e muito diversa, salientando-se, nesse sentido, a importância de muitos dos seus painéis de cerâmica terem sido idealizados para diferentes espaços públicos nacionais. Teresa Cortez inspira-se, no seu trabalho, em referentes muito distintos – do desenho à cerâmica -, utilizando o traço figurativo desprendido, associado à pintura cerâmica, o que acentua a intensidade sensorial e plástica. O processo criativo adoptado, no essencial, tem como base, primeiramente, o desenho que surge no papel pintado com aguarela, lápis de cor ou outras tintas, que depois é redesenhado nas placas de cerâmica ou jarras, para irem, finalmente, a cozer na sua mufla, a mais de 1000 graus centígrados. Os motivos são ilustrados no papel e transportados para serem recriados e reinterpretados na terracota, ganhando deste modo em plasticidade e intensidade cromática, podendo mesmo acentuar-se a componente táctil do trabalho, sobretudo, quando se ampliam as texturas e o volume. Os azulejos, as placas de cerâmica, vivem da cor, da forma ilustrada e, em muitos casos, também do volume em alto e baixo-relevo – algumas representações são mesmo pequenas peças moldadas que se soltam das placas cerâmicas acontecendo, por vezes, uma aproximação na criação das peças escultóricas.

+

art close to the public

Rui A. Pereira

The world, increasingly more massified and faceless, instead of valuing cultural identity, tends to consciously standardize all forms of production, basing its existence on consumer objects. It being an unequal fight, obviously, art in general has a decisive role in resistance as a phenomenon of creativity and freedom of creation.

By the hand of Teresa Cortez, we are escorted to a motif which we deem very special, a subject we address with great delight – the tile mural.

+

tiles that open to the horizon

Rui A. Pereira

Teresa Cortez’s linework is ostensibly a means of expression. It plays with chiaroscuro, the overlapping and juxtaposed layers that take form and rise, in each work, in their entirety, disclosing colour. Just like in the East, where the pictorial basis is nourished by the essence of matter, with the paint on paper, canvas or ceramic, flowing from her thought. With either thicker or more diluted paint, the author carries out the representation, outlining, dying the diversity of colour, tone, highlighting every nuance, every shade.

+

a playful world in hiding – 45-year retrospective

Rui A. Pereira, Curator

The exhibition “A Playful World in Hiding”, now presented at the Museu do Oriente, is a unique opportunity to retrospectively grasp the past 45 years of Teresa Cortez’s work. This showcase represents a well-deserved occasion to pay homage to the extensive and diversified work of this contemporary artist, still fully active, her ceramic mural panels being her most outstanding intervention.

Teresa Cortez is, in fact, the author of more than forty ceramic (modelled and tile) panels placed in a variety of public and private buildings in various regions of the country, and assuredly one of the living Portuguese potters who have signed more works in the scope of architecture projects.

+

ceramics, the bread of art

Henrique de Melo

Ever since time immemorial and across all latitudes, human beings have devoted to transforming whole cereals into Bread.

To the pioneer drive of the early artisans, whether individual persons, groups of kin or communities, the high universal status and entrepreneurial nature of the culinary art must be credited, the latter understood as the preliminary preparation and subsequent transformation of foods from raw to cooked, resorting to the controlled handling of fire.

+

cerâmica mural, arte em público e arte pública, em Portugal

Henrique de Melo

Translation not available yet. Sorry for the inconvenience.

Arte Pública, nas últimas décadas, deixou de significar apenas “arte em lugares públicos”.

As novas concepções passaram a enfatizar a relação arte/comunidade, ao invés de arte/objecto, o que resultou nem praticas como site-specific, “arte socialmente responsável”, “arte-instalação”, sendo tais práticas articuladas pelas referências de tempo e espaço. Trata-se portanto de uma arte entranhada historicidade do lugar, chamando pelo reconhecimento ou transformação.

Marisa Veloso 1

Tomando como ponto de partida os painéis de cerâmica de Teresa Cortez colocados nas fachadas exteriores e paredes internas de vários edifícios, pareceu-me adequado tecer alguns considerandos sobre a Cerâmica Mural portuguesa e a sua classificação como Arte em Público ou Arte Pública, tema que pessoalmente me suscita interesse, não sob uma óptica que não domino, avaliação estética, mas numa perspectiva para mim mais familiar, Filosofia da Arte.

+

feita de TERRA e FOGO a cerâmica de Teresa Cortez rima com ÁGUA e MAR

E. M. de Melo e Castro, poeta

Translation not available yet. Sorry for the inconvenience.

formas
consonância decores
sentidos
+
© 2020 - 2021, Teresa Cortez